O futuro da saúde suplementar

No início o setor suplementar iniciou-se apenas com atendimento para condições agudas, principalmente doenças infecciosas. Hoje, o hábito é ir direto aos especialistas e o serviço é procurado apenas quando um problema surge.

Mas, isso começa a mudar quando os especialistas e atores do mercado buscam uma forma de implementar uma gestão integrada da saúde. O objetivo é sair da sequência da agenda e priorizar o cuidado real com a pessoa.

E esse cuidado real não é no momento que o sintoma aparece, mas sim na antecipação do problema, para ter um monitoramento de cada paciente. Um exemplo do futuro da saúde suplementar é a medicina integrativa.

Ao complementar o sistema tradicional, com terapias e práticas que visa o bem-estar e a ativação de recursos de autorregulação dos pacientes, fez com que diminuísse em 41% a 56% as idas das pessoas ao pronto-atendimento.

Melhorar o sistema de saúde suplementar

De acordo com Eugênio Vilaça Mendes, existe uma carência estrutural da saúde suplementar em não utilizar a força da atenção primária. “Acabam sendo múltiplos pontos de assistência que não falam entre si; silos que não se comunicam”, classifica em matéria da Revista Visão Saúde, veiculada no segundo trimestre do ano.

  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn

É preciso ter um contato contínuo, proativo, coordenado e integrado, para que a saúde suplementar seja uma forma de conhecer a população, entender quais são os maiores riscos e ter uma estratégia logo no início de contato com o paciente.

Uma pesquisa feita em 2021 pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) aponta que a coordenação dos cuidados pode ser uma das estratégias para melhorar o sistema de saúde suplementar.

Futuro da saúde suplementar

O futuro é gerir a saúde de todas as pessoas e não apenas daquelas que estão doentes. A ideia é conciliar a tecnologia para que o acompanhamento seja constante, com questionários periódicos sobre as condições clínicas e a qualidade de vida.

Para isso, é importante pensar no todo e engajar os pacientes, as empresas prestadoras de serviços de saúde, assim como o governo. Os familiares são a base necessária para esse cuidado, para entender fatores genéticos.

Outra estratégia que está sendo recomendada e destinada para o futuro da saúde suplementar é um contato entre os médicos do paciente e um prontuário eletrônico único, para que todas possam saber exatamente o que está ocorrendo.

Por exemplo, tentativas de tratamentos que deram errado e outras que foram assertivas podem ajudar em processos posteriores. As conversas entre os médicos podem facilitar muito a forma de ajudar na qualidade de vida do paciente.

A transformação digital que tem acontecido no mundo é um fator que irá ajudar o futuro da saúde suplementar, isso porque os dados compartilhados e a forma de integração dos sistemas estão de encontro com o objetivo proposto, que é ter maior integração no setor.

Com a coordenação de todo o sistema, fica mais fácil a implementação de novas tecnologias e a integração de todos os dados e médicos, para que a saúde suplementar funcione para melhorar a qualidade de vida de toda uma população.

  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
Share This